Especial | Banaboé Cariá | AILE*

2016 Capa
...

Banaboé Cariá: Sessão concorrida

Numa sessão especial bastante concorrida, na noite desta quinta (28/04), a Câmara Municipal de Esperança foi palco para o lançamento do livro “BANABOÉ CARIÁ: RECORTES DA HISTORIOGRAFIA DE ESPERANÇA”, do escritor e historiador Rau Ferreira. Com a presença de autoridades dos três poderes e de pessoas do povo e da sociedade, a câmara ficou lotada na expectativa de conhecer o trabalho que conta a história de Esperança nos seus mais diversos aspectos.

Na tribuna, todos destacaram a importância do momento e quanto valorosa foi a iniciativa do escritor em registrar a história esperancense com dedicação e competência. Entre os oradores que se alternaram na tribuna, o vereador presidente José Adeilton Amazan, deputado Arnaldo Monteiro, procurador Antônio de Pádua Torres, juíza Fracilene Lucena, a presidente do Instituto Histórico de Campina Grande Maria Ida Steinmuller. Ainda apresentando o escritor e representando a comissão de revisão do livro composta por Evaldo Brasil e Carlos Almeida, o secretário de esportes e cultura João Delfino Neto.

Ao final, o prefeito Anderson Monteiro, responsável pelo prefácio do livro e pelo patrocínio oferecido pela prefeitura, se mostrou orgulhoso pela forma como o trabalho foi realizado com eficiência e talento e por se tornar numa importante fonte de informação e preservação da história esperancense. Agradecido pelo incentivo e pela produção de mais um trabalho de sua autoria, o escritor e historiador Rau Ferreira fez questão de destacar o apoio da Prefeitura de Esperança e a colaboração de todos aqueles que contribuíram na construção de tão importante publicação para o município e sua história.

Quanto ao título do livro, BANABOÉ CARIÁ, matou uma curiosidade de todos dizendo ser uma expressão na língua cariri pertencente aos índios que primeiro habitaram nossa terra sendo, por sua vez, BANABOÉ: “tanque grande” e CARIÁ: “lugar de origem do homem branco”. O autor completou a noite com uma sessão de autógrafos dedicando exemplares a todos os presentes.

Além do presidente Amazan, a sessão foi composta pelos vereadores Adailton dos Santos, Cristiana Almeida, Joelmir Ribeiro, Josinaldo Ferreira e Adijailson Costa “Tité”.

SECOM PME/Secretário Cleude Lima, em:

http://historiaesperancense.blogspot.com.br/2016/04/banaboe-caria-sessao-concorrida.html

...
...
1935 Do acervo de Pedro Gazeano, a fotografia de João G. Guimarães, do estúdio “Foto Fiel” mostra a arquitetura da então “Egreja Matriz de Esperança”, no português da época. Essa fotografia circulou como Cartão Postal, trazendo no verso as expressões “Post Card” , “correspondence” e “address”. A ilustração, na página 44, em preto e branco, abre o Capítulo III Formação do Município.

Ela fez parte de um pacote guardado por Pedro Gazeano que incluía ainda a vista do Açude Velho e Capelinha a partir da Matriz e outra em sentido oposto, a Rua do Sertão, do Centenário, a Chã da Bala e a Rua Nova com vista para torre da igreja. Outras, da mesma época já foram catalogadas sem que tenhamos a certeza de seu fotógrafo. Mas esse pacote contém os traços necessários para o texto do remetente. 

Uma inferência possível é que elas sejam parte das comemorações dos 10 anos de emancipação política da cidade. João G. Guimarães aproveitara a efeméride, já que sediava seu estúdio na então cidade de Laranjeiras (Alagoa Nova), da Paraíba do Norte, como se pode ver em:


...
...
SET15 A Capelinha e a cantora lírica Isabel Barbosa, à página 103, abre o Capítulo V Cultura & Religiosidade

FOTO: Emerson Santos, para a Secom/PME.

Veja mais da Capelinha em:

...
...
SET15 Mandíbula fossilizada de mastodonte (Haplomastodon waringi), encontrada em 1997; a página 158, ela abre o Capítulo VII Patrimônio Esperancense

ACERVO: Evaldo Brasil, fiel depositário. FOTO: Emerson Santos, para a Secom/PME.

...
...
SD Na década de 60, a Capelinha sobre o lajeiro recebia a Escola Cantório, de Hilda Batista, em momento de lazer. A imagem abre, na página 189, o Capítulo II Deve-se contar?, do Título II Passado Glorioso

ACERVO: João de Patrício. FONTE: Blogue Revivendo Esperança PB


...
...

Banaboé Cariá: Discurso de lançamento

Exmo. Sr. José Adailton da Silva Moreno (Amazan), Presidente do Poder Legislativo, na pessoa de quem saúdo os vereadores aqui presentes.

Exmos. Srs. Anderson Monteiro Costa, prefeito constitucional do Município de Esperança, e Arnaldo Monteiro Costa, Deputado Estadual, Exma. Sra. Ida Maria Steinmuler, presidente do IHCG, e Dra. Juciene Ricarte Apolinário, vice-presidente; secretários municipais, diretores de escola, professores, convidados, demais autoridades e o público aqui presente. Boa noite!

É com grande alegria, e com o espírito de dever cumprido, que nos reunimos hoje para o lançamento do livro BANABOÉ CARIÁ – RECORTES DA HISTORIOGRAFIA DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA.

Quero primeiramente agradecer a Deus, que me dotou de inteligência, de uma curiosidade aguçada e uma inquietação enorme, sem as quais a escrita desta obra não seria possível, o Senhor tem me proporcionado vitórias, e estamos aqui para festejar essa grande conquistar, que é a de escrever sobre a história do nosso município.

E dizer o meu “muito obrigado” ao gestor público municipal, Dr. Anderson Monteiro Costa, por abraçar esta idéia, acreditar no projeto, e dar as condições necessárias para que pudéssemos concretizar este sonho que hoje se realiza. A prefeitura não apenas financiou, como também formou uma comissão de notáveis para revisar este trabalho, formada pelo então Secretário João Delfino Neto, e os servidores Evaldo Brasil e Carlos Alberto Almeida.

Agradecer, de uma maneira especial, a minha esposa Carmem Lúcia e aos meus filhos Hauane, Heloíse e Helder, que de certa forma, sentiram a minha ausência nos dias de pesquisa e escrita deste trabalho. E é por este motivo que lhes dediquei o livro, assim como ofertei a meu falecido pai, Beinha, e minha mãe Glória, que contribuíram para a minha formação moral.

Muitas pessoas tem me perguntado o significado do título, cuja explicação deixei para este momento. “Banaboé” (com E) na língua Cariri quer dizer “Tanque Grande”, o que nos remete ao Araçá, este reservatório de águas pluviais que existe no bairro Beleza dos Campos. Talvez por esse motivo, a Sesmaria de 1789, menciona existir o lugar “Tanque Grande no Sertão de Banaboie”.

Quanto ao vocábulo Cariá, este não é tão fácil. “Cari” refere-se ao homem branco, ao colonizador. Cariá nos dá sentido de lugar ou origem. Portanto, quero crer que “Banaboé Cariá” seria algo como “o tanque grande do homem branco”.

É certo que a história narra que os índios se estabeleceram naquele lugar, e que foram responsáveis pela desobstrução daquele lajedo, que possibilitou a captação das águas da chuva pelo Araçá, que serve até hoje a nossa população. Todavia, os documentos apontam uma concessão de terras ao desbravador Teodósio de Oliveira Ledo, fundador da Campina Grande, que por herança veio a pertencer a sua filha Amarinha Pereira de Araújo e seu genro João da Rocha Pinto, os quais estabeleceram na região da Bela Vista, uma fazenda de criação de gados, que denominaram de “Banaboé Cariá”.

Nas palavras do historiador Irineu Jóffily, que provém deste ramo familiar, e que por muitas vezes passou suas férias naquela fazenda, Banaboé foi sempre o nome deste lugar, e assim tem sido conhecida pelo menos desde 1757.

Mas o livro ainda tem o subtítulo de “Recortes da historiografia de Esperança”, por sugestão de Evaldo Brasil, que igualmente merece explicação. A história do nosso município é riquíssima, e maior do que podemos conceber. Seria uma ilusão dizer para vocês que toda ela se encontra reunida num único livro. Isto me parece impossível. E por essa razão preferi dar ênfase aos principais fatos, fazendo o recorte de alguns momentos da história local.

Assim, iniciamos o livro tratando da formação do nosso território, dos aspectos geográficos, e dos símbolos municipais; falamos da colonização, do vocábulo “Banabuyé”, da vocação comercial, e da tradicional feira, que foram por assim dizer, é a nossa origem.

Registrei o desenvolvimento urbano, as principais ruas, os bairros e distritos. A criação da paróquia, com as suas comunidades, pastorais e administradores.

Tratei dos poderes públicos municipais, legislativo e executivo, e também do judiciário local. A infraestrutura, os primeiros anos, a educação e a saúde foram igualmente objeto de nossos estudos.

A cultura ganhou um capítulo especial, subdividida que fora para cada uma das artes ou gêneros, a exemplo da música, da fotografia e do artesanato. O esporte, o carnaval e o São João também foram mencionados.

A história do trem que passaria por Esperança, mas que foi desviada com receio de que isolasse Campina Grande, ganhou relevo com a gravura do pesquisador Jônatas Rodrigues Pereira, a quem coube transformar o projeto desta estação em imagem 3-D.
Mas o livro é rico não apenas em conteúdo, como também em fotografias, muitas delas do acervo pessoal de Antônio Ailson Ramalho, filho do desportista José Ramalho, que gentilmente nos cedeu para esta publicação; também foram aproveitadas fotos antigas de Evaldo Brasil, Jailton Medeiros, Martinho Júnior e João Batista Bastos, ficando as mais recentes a cargo de Emerson Santos.

Enfim, Esperança, entrego o “Banaboé Cariá – Recortes da Historiografia do Município de Esperança”, e dou por cumprida esta missão pela qual me empenhei, na certeza de que este livro abrirá o caminho para outras publicações, de outros autores, que possam fazer o registro desta cidade, o nosso querido “Lyrio Verde da Borborema”.

Uma boa noite a todos e o meu muito obrigado pela sua presença.

Rau Ferreira, em:

http://historiaesperancense.blogspot.com.br/2016/04/banaboe-caria-discurso-de-lancamento.html

*Comemorando um ano de lançamento, replicamos aqui o acervo de imagens do mais recente livro da história de Esperança, além de alguns textos alusivos ao trabalho de Rau Ferreira, com os auspícios da Gestão Anderson Monteiro.




Comentários

  1. Um registro para a nossa histórica, do amigo e integrante da Comissão deste livro, ativista cultural e jornalista EVALDO Pedro BRASIL da Costa, com as figuras que ilustram a obra e os discursos proferidos. Agradeço ao amigo esta publicação. Att. Rau Ferreira

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Destaques

Arquitetura | Esquina de Bento Torres | AM

Registro | Alagamentos 2011 | CAPU*

Especial | Símbolos Municipais 3 | LG*

Personagem | Bispo Francisco Menino | BJTH*