Especial | Sarau Inaugural da Quero Mais | FIC

2016
10NOV16 Último sarau do ano do Fórum Independente de Cultura/FIC, que acontece em mais uma parceria com a AAQM. BANNER: Evaldo Brasil.
...
20NOV16 Primeiras presenças do Sarau Inaugural da AAQM, em parceria com o FIC. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
ATA REGISTRO
Lista de presença do Sarau Inaugural, realizado pela parceria FIC/AAQM, na inauguração da sede própria da Associação Afro-cultural Quero Mais, aos 20 de novembro de 2016. Fórum Independente de Cultura. Após a última das assinaturas, faremos o devido registro. (Ass)

Pelas 15h30, como agendado, fez-se fotografia registrando as primeiras presenças (acima), destacando a fachada da sede própria da Associação Afro-cultural Quero Mais/AAQM. O livro de atas circulou, coletando as assinaturas dos presentes. Evaldo Brasil e Antonio Marcos Viturino de Souza, pelo FIC e pela AAQM, respectivamente, montaram e anunciaram o roteiro da tarde.

Evaldo Brasil, atuando como mestre de (sem) cerimônia fez a fala inicial, explicando o funcionamento do Sarau; Marquinho Pintor fez pequeno histórico da Quero Mais e convidou a todos a serem parceiros nessa empreitada, informando do início das oficinas de confecção de Ala-ursas, a partir de dezembro, considerando a iminência do Carnaval, um dos momentos mais intensos da entidade.

A primeira apresentação se deu pelas meninas do grupo de dança da AAQM, que fizeram dois números, incluindo “Paraíba, Joia Rara”, de Ton Olivieira; Evaldo Brasil apresentou seu primeiro cordel (C49-001) “Se essa rua fosse minha”. Enquanto isso, a professora Enilda Marcelino e alunas da EMEF Dom Manoel Palmeira, finalizavam e apresentaram uma reflexão e o poema “Consciência Negra” através de Thalya Eslene Guedes Costa (6º Ano). Delas ficaram trabalhos em mosaico, expostos junto ao acervo da Quero Mais.

Brasil convoca os que não assinaram a Lista de Presença/Livro de Ata para fazê-lo, lembrando que fazer as coisas sem documentar é o mesmo que não fazer; dizendo em seguida um poema “Afro-desejo” do esperancense Egberto Vital (Sinestesia, AgBook, 2011).

Pai Fernando de Logun Edé, representante do Candomblé, é convidado e fala sobre intolerância religiosa, historiando a sua tradição, distinguindo de assemelhados, a exemplo da Jurema e da Umbanda; desmistificando expressões e atribuições que refletem um quadro de ignorância que vem diminuindo, mas ainda existe.

Brasil, enquanto se definia a próxima fala, apresenta Silvino Olavo, com o poema “Alegria Interior”; convoca Mãe Ana da Oxum, representante local do Candomblé, que tratou dos momentos de preconceito e discriminação que já sofrera. Porém, como resume sua prática religiosa enquanto um culto ao Amor, sendo muito feliz por isso, recomenda que todos persigam a felicidade, cultuando o amor, independente da religião que professem.

Marriet Delon, também ligada ao candomblé, se colocou como representante do movimento LGBT. Homenageando Elsa Soares, em sua caracterização, apontou que o preconceito mata mais que qualquer doença. E convocou as meninas, a partir da organização dela na Quero Mais, a participarem de futuro concurso Garota Quero Mais.

Beilza Pessoa, por sua vez, faz depoimento quanto à importância do espaço que se abre para a comunidade com a inauguração da AAQM, estimula as meninas do grupo de dança ao parabeniza-las e remete às escolhas, evitando a exposição do corpo e estímulo precoce da sexualidade.

Severino do Ramo, percussionista, se despede por ter que estar em Campina Grande ainda na noite do domingo, sugerindo agendar na UEPB cursos de dança e instrumentos de sopro, cujas inscrições estão abertas até dezembro, e que a iniciativa local será acolhida pela universidade gratuitamente.

Thallys Araújo, membro da iniciativa Quero Mais, apresenta material sobre a primeira juíza negra do Brasil, Luislinda Valois, como exemplo para ele. Ela resolveu ser juíza quando recomendaram que fosse ser cozinheira, pra preparar feijoada pra branco. Ele, que hoje trabalha para um escritório de advocacia, quer seguir a carreira dos patrões e estuda para isso. Em seguida, cantou uma ladainha de capoeira.

Para encerrar o sarau, as meninas da Quero Mais se dividiram em três subgrupos e fizeram apresentações competitivas: Patricinhas, Campeletes e Princesinhas, ganhando este último, sob o julgamento de sete jurados, por voto simples da que acharam melhor.


Pelas 17h30, como previsto, foi dado por encerrado o Sarau Inaugural, quando fora feita uma segunda foto oficial (abaixo), fixando a presença dos que assim quiseram. Nada mais havendo a registrar, eu Evaldo Pedro da Costa Brasil, finalizo esta. Esperança/PB, em 20 de novembro de 2016.

...
20NOV16 Últimas presenças, dos que quisera fixar o registro. FOTO: Beatriz dos Santos Silva. TRATO: Evaldo Brasil.

Comentários

  1. Desejo que a Casa sirva à cultura e ao bem estar de todos os que dela se acerquem.

    ResponderExcluir
  2. Pedro Paulo Costa Filho, via Facebook: Parabenizo a todos.
    Toda forma de cultura deve ser exaltada, precisa-se muitas vezes a luta sem armas, mas com mentes para se mostrar o belo.
    Parabéns aos guerreiros Marquinhos e Evaldo Brasil.

    Marco Di Aurélio, idem: Desejo sucesso aos envolvidos, e que a Casa tenha seu papel agregador de cultura e sociabilidade necessárias ao bem estar daqueles que a respeitem e a valorizem.

    ResponderExcluir
  3. Joenio Braga, via Facebook: Minha alma aplaude de pé, estou sem adjetivos. Inundado de admiração e vou apelar pro mais singelo clichê pra não ficar na covardia do silêncio bramo aqui sem o tom: PARABÉNS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Destaques

Arquitetura | Esquina de Bento Torres | AM

Registro | Alagamentos 2011 | CAPU*

Especial | Símbolos Municipais 3 | LG*

Registro | Alagamentos 2017 | CFCC*