Um museu para Esperança

Há muito se discute e se faz isso ou aquilo em torno da (des)necessidade de um museu em Esperança.

Quando nos idos anos 90 do século passado o tema veio à tona na Revista da Esperança, houve que dissesse que "Esperança não tinha nada a preservar. Era muito nova." Eu então argumentava que a gente não precisava completar 400 anos para ver o que sobrou e, cuidar da sobra! Estava à vista uma mandíbula de haplomastodonte* com cerca de 8kg e por volta de dez, eu disse 10.000 anos, que fora encontrada nas obras do depósito da Decorama, na rua José Andrade.


Anos depois um museu temporário marcaria as comemorações dos 80 anos de Esperança, era 2005. Uma série de cartões postais com 8 e um extra registraria especialmente o que fomos/tivemos, por iniciativa de Mércio Araújo e Evaldo Brasil, com apoio da iniciativa privada e patrocínio da prefeitura.
Nos setenta anos, prédios foram reinaugurados, uma edição especial do Jornal Novo Tempo registrou parte da história e a história recente das obras públicas entregues pela gestão Luiz Martins. Era 1995. o Banco do Brasil e a Caixa Econômica viraram galeria história para exposições fotográficas.


Nos sessenta anos, circulou material especial. No cinquentenário houve até concurso de miss... antes disso não tenho registro. Mas...
O pacote de fotografias em série, funcionando com cartão postal, mais antigo já encontrado é de 1935. Esperança estava nos seus 10 anos. Um estúdio fotográfico de Laranjeiras (Alagoa Nova) fora seu autor.
Se voltarmos no tempo, mais e mais, chegamos a 1713 como a primeira referência a nossa terra, mais precisamente a Sesmaria de Lagoa de Pedra, seguida da de Banabuyê, compondo o nosso território.


Nino Pereira, João de Deus Melo, José Régis, Inacinha Celestino, José Torres, João de Patrício, Jacinto Barbosa, Rau Ferreira ... são alguns dos nomes que, de alguma forma e a seu tempo representam essa preocupação.

Quem não sabe do esforço de João de Deus para evitar a derrubada do cineteatro São José e da Casa dos Brandão, que fora de Manoel Rodrigues, nosso primeiro prefeito, onde foi celebrada a emancipação política... quem não sabe se esforce para saber já que um povo sem passado (memória) é um povo sem futuro, pois de presente de incertezas, de falta de raízes, sem referências ...sem futuro.


Então, estamos pra comemorar 90 anos, numa contagem regressiva para o Centenário. O que teremos a comemorar se sequer uma lei que preserve o patrimônio arquitetônico não tivermos até lá? sem sequer uma casa de memória até lá? sem a preservação e o estímulo aos artistas de hoje e que surgirem até lá? será que para ter o novo sempre precisamos matar o velho? Se assim for, assassinem seus pais! Se não diretamente, faça como se fez com o Açude Público, açude velho Banabuyé. Provavelmente o maior crime coletivo dessa comunidade.
Se não falei da Maternidade, o que fizemos com as irmãs?
Mas meus irmãos, há notícias do Banaboé Cariá, Recortes da Historiografia de Esperança (Rau Ferreira) mais um livro para pesquisa escolar a partir do registro, da correção, da reafirmação de pessoas, fatos e lugares, de novos fatos e olhar sobre o(s) que fizeram e/ou fazem a nossa história. 30 anos depois do Livro do Mobral.
Ah, essas fotos? São de uma modesta investida pessoal de Carlos Pessoa. A sede, por saudades, do Samba Hits.

*tataratataratatarataravô do que seria hoje o elefante.

Comentários

Destaques

Arquitetura | Esquina de Bento Torres | AM

Registro | Alagamentos 2011 | CAPU*

Especial | Símbolos Municipais 3 | LG*

Registro | Alagamentos 2017 | CFCC*