Logradouros | Banabuyê - Capelinha 3 | VSAS*

ANOS 70
SD Mesmo coberto de "pasta", o conjunto serviu de cenário para o popular Zé Andrade registrar seu meio de transporte e de trabalho. ACERVO: Jailson Andrade. TRATO: Evaldo Brasil.
ANOS 2000
SD Agora sem água, exceto do esgoto a céu aberto, o conjunto serviu de pasto e, desde então, de depósito entulho e de material de construção. ACERVO: Jailson Andrade. TRATO: Evaldo Brasil.
SD
SD No início da primeira fase de urbanização: retirada do assoreamento e substituição do material por aterro apropriado. FONTE: Secom/PME. TRATO: Evaldo Brasil.
2009
SD Registro do meio fio feito com um "xing ling". FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
SD
SD Enquanto o solo é tratado, as edificações modificam a paisagem. ACERVO: Jailson Andrade. TRATO: Evaldo Brasil.
2011
06MAR11 O setor como cenário na passagem da Última Hora, durante o Carnaval. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
2012
FEV12 Sendo urbanizado, traça "ruas" e "quadras". FONTE: Google Street View. TRATO: Evaldo Brasil.
2015
24JUN15 Depois de alguns anos, com meio-fios, canal e rede de esgotos e fossão, aguarda definição do que será. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
24JUN15 Adentrando, a Capelinha ainda parece maior que as edificações do entorno. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.
24JUN15 Zoom evidencia que a construção civil determina as regras e, no futuro, a Capela obelisco não será vista à distância. FOTO&TRATO: Evaldo Brasil.

*Vistos da Rua Severino A. Santos, adentrando a área em processo de urbanização.

Comentários

  1. tirei muito capim pros bichos de mainha nesse açude e tbn brinquei muito ^^

    ResponderExcluir
  2. Jailson Braga Brandão, via Facebook: Se não me engano ia ser a rodoviária aí.

    Adjalmir Rocha: Lamentável

    Cleo Meira: Triste, deprimente!

    Narcisa Henriques: Não Jailson Braga Brandão. A rodoviária ia ser naquele campo da entrada de Esperança.

    Jailson Braga Brandão: Amiga fico triste como tantos lugares bonitos, casarões e de natureza natural perdemos em nossa cidade.

    Narcisa Henriques: Verdade. Está ficando cada dia mais, uma cidade sem história.

    Manuel Tavares Tavares: Reflexo de administrações equivocadas, despreparada e insensível com a história de gerações que os antecederam. Hoje, vivemos da saudade do que éramos e procuramos identificar que desenvolvimento foi esse que significou a destruição da nossa história, tornando nossa cidade um monumento sem nenhuma identidade

    ResponderExcluir
  3. Giuseppe Lyra, via Facebook: Absurdo o crime ambiental praticado contra o Banabuiè! 😈

    Cida Galdino Galdino: Foi na Gestão do Prefeito Nobinho. Entre 2019 a 2012 .

    Evaldo Brasil: João Delfino, 2005-2008. Foi quem removeu o lamaçal.

    ResponderExcluir
  4. Dyneth Ednete Melo, via Facebook: Nossa! vi de perto a transformação e continuo vendo se ela vai ter mudança tbn, pois quando vim morar aqui isso aqui era mato ^^

    Anabel Martins Costa: Uma vergonha.

    Dyneth Ednete Melo: Vergonha !?

    Giuseppe Lyra: Um crime ambiental praticado com a conivência de todos os poderes constituídos do nosso município.
    Povo sem memória é um povo sem história! 😠

    ResponderExcluir
  5. Dyneth Ednete Melo, via Facebook: Pode ser, né Giuseppe Lyra, minha mãe passou no tempo que ela era criança com minha vó, creio que até painho tb no seu tempo de criança pra adolescente, eu quando criança tinha uns 4 pra 5 anos, e já era tudo mato com o passar dos anos foi aterrando, tbn passei minha infância brincando dentro do açude, tbn tirei capim pros bichos que tínhamos, vó viu só começo do tiramento do lamaçal. Há 9 anos atrás. Vi tbn a primeira enchente até deu no joelho e a segunda na canela da perna. Bom, bom, enfim, vi e continuo vendo como ficou e está ficando e olha que é de perto todo santo dia ;) ^^

    Giuseppe Lyra: Pois é Dyneth Ednete Melo, esse aterramento do Açude Banabuiê aconteceu de forma lenta e gradual. Por isso que reafirmo: foi um crime ambiental praticado com a conivência das autoridades que assistiram ao soterramento daquele Açude sem tomarem nenhuma providência para mantê-lo vivo.

    Dyneth Ednete Melo: Moro de frente, Giuseppe Lyra, e hj em dia meu filho acompanha comigo tbn pois disseram que iam fazer uma pracinha... fizeram foi uma fossa grande, forte... que a primeira chuvinha caiu kkkkkk... Tá ainda com alguns matos e uma cerca de arame, e a pracinha nada kkkkkkkk, e tbm destruíram muitas coisas que eram pra ficar na história de Esperança, mas fazer o quê, neh? Vai lá saber o q se passa na mente dos outros. Ah, era pra ter cuidado antes de ter criado mato há muitos anos atrás, num tomaram providências antes, imagina agora ou depois?!...

    Giuseppe Lyra: Triste realidade! 😈

    Dyneth Ednete Melo: Pois é, hj está assim agora ^^.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Destaques

Arquitetura | Esquina de Bento Torres | AM

Registro | Alagamentos 2011 | CAPU*

Especial | Símbolos Municipais 3 | LG*

Personagem | Bispo Francisco Menino | BJTH*